24 janeiro 2011

Derradeiro

07 de outubro de 2009 – 07:06h 
Ele saiu daqui há duas horas. Eu não consigo dormir, não quero entrar na internet, não quero olhar para ninguém. Também não quero levantar da minha cama e ir tomar meu banho para ir pra faculdade. Eu quero apodrecer nesse colchão, onde passamos a última noite.

Era pra ser só uma conversa, uma das inesperadas, quando eu chego na estação de metrô depois de um longo dia e o encontro parado me esperando. Coisa que acontece uma vez a cada três meses. Ele estava encostado na grade verde, a cabeça baixa e eu reconheci a cabeça cabeluda e as pernas compridas e todo o resto.

Ele pediu pra conversar e deu sorte porque estava sozinho em casa. Fazia muito tempo que um menino não entrava na minha casa. Mas eu não queria mais do que conversar.

Nós não nos víamos há uns dois meses, ele estava bem com a namorada. Confesso que às vezes até esqueço que ele existe e que ele foi o meu maior amor. Mas quando vejo seus olhos e sinto que ele me olha em troca, eu lembro de tudo. Das tardes de Friends, das descobertas dele, das dores com as fotos.

No caminho pra minha casa, tarde da noite, ele disse que precisava desabafar e, antes que eu pedisse pra ele esperar chegarmos em casa, ele me confessou que a namorada dele estava grávida.

A notícia veio por telefone naquela noite e o fizera se despencar até minha casa só pra me contar. Ele não sabia o que fazer e sentiu que precisava conversar comigo. Disse que quando me viu, parecia que a vida tinha solução.

Eu gelei. Parei no meio da rua e não sabia o que pensar. Gelei mesmo. A temperatura do meu corpo caiu e enquanto eu voltava a andar na direção de casa sentia meu corpo suar frio, minha nuca molhada e minha boca estava seca.

Ele pediu pra eu falar algo. Eu não sabia o que dizer. Estava nervoso pelo que estava sentindo. Coisa que nem eu entendia. Chegamos em casa, entramos no meu quarto e nos trancamos, mesmo sem ter ninguém em casa.

Troquei de roupa enquanto ele estava sentado calado no meu sofá-cama, olhando pros pés descalços. Eu sentei ao seu lado e perguntei por que ele disse que sentia que eu daria a solução. Ele disse que me amava e que sentia que estava fazendo há mais de um ano a maior besteira da vida dele.

Tive pena dele naquele momento, mas beijei-o. E ficamos naquele beijo por uns cinco minutos. Ele me tocava o rosto e sua mão também estava suada. Seu hálito era natural e seu cheiro era de suor fresco. Eu mantinha minhas mãos abaixadas, coladas ao meu corpo.

Nos olhamos e eu vi nele um pai de família. Em mim, eu vi um erro. Dormimos juntos. Ele disse que me amava de novo. E dessa vez foi como uma daquelas frases de efeito. Foi com lágrimas nos olhos. Eu disse que amava ele também. Mesmo que dois segundos depois eu estivesse me arrependendo, enquanto tirávamos nossas roupas.

13 comentários:

  1. Espera... (Respira fundo... Solta)
    Nossa cara, sinceramente... Vc já publicou ou ao menos pensou em publicar esses contos? É sério, seus contos são tão reais, tão contemporâneos, que agente nem sente que tá lendo... É gostoso de ler... Esse agora me tirou o fôlego, de verdade...

    Um beijo rapaz... Até o próximo

    ResponderExcluir
  2. ficção ou realidade? difícil definir ...

    bjão

    ;-)

    ResponderExcluir
  3. Erro sim.

    Mas quem é que manda no coração?

    ResponderExcluir
  4. adoro sua forma de escrever, não me canso de dizer.. sobre o conto, é que sempre tem algum problema né, nada consegue ser tão perfeito...... abss

    ResponderExcluir
  5. "Nos olhamos e eu vi nele um pai de família. Em mim, eu vi um erro."

    Gosto vc de mais não... seus textos tem o poder de me doer um tantinho!

    Brincadeira, tá? (só a parte do não gosto hihihi)

    Dúvida: verdade?

    ResponderExcluir
  6. um filho muda muita coisa,noites ou noitadas viram dias calmos...mas não vejo erro! o amor que era dois pode ser três na inocência que nasce

    ResponderExcluir
  7. um filho muda muita coisa,noites ou noitadas viram dias calmos...mas não vejo erro! o amor que era dois pode ser três na inocência que nasce

    ResponderExcluir
  8. e pra onde foi tudo que vc planejou?

    :*

    ResponderExcluir
  9. eu conto pra todo mundo...
    ISSO NÃO É FICÇÃO TÁ?

    vc nunca me contou como essa estoria terminou de fato...

    ResponderExcluir
  10. ops: estou te esperando em BH em Fevereiro viu? avise antes ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  11. eu não sei se é pq estou extremamente emotivo hoje, mas eu enchi meus olhos de lágrimas. Poxa, que coisa... :(

    ResponderExcluir