19 novembro 2010

Ó Solidão! Se contigo deverei habitar



Ó Solidão! Se contigo deverei habitar,
Não deixes que seja entre uma grande confusão
De construções escuras; sobe comigo a colina...
Observatório natural... donde o vale
Com seus declives floridos, e seu rio serpenteante e cristalino
Parecem um só; deixe-me velar-te
Entre ramos ornados, onde o abrupto salto do veado
Espanta a abelha selvagem da campânula de uma dedaleira
Todavia, embora recordarei alegremente convosco essas cenas,
Ainda que a doce conversa de uma mente inocente,
Cujas palavras são imagens de pensamentos elegantes,
Em minha alma é prazer; e certamente será
Quase a maior bem-aventurança da humanidade,
Quando de tua paragem duas almas gêmeas partirem.

John Keats

8 comentários:

  1. é...
    tenho q ler mais Keats
    agora...

    e esse banner?
    nada a ver com vc!

    ResponderExcluir
  2. Legal

    e feliz dia do homem

    aqui: http://justoedigno.blogspot.com/2010/11/feliz-dia-do-homem.html

    aqui: http://soap-oprah.blogspot.com/2010/11/from-heaven-without-wings-capitulo-07.html

    e aqui: http://28.media.tumblr.com/tumblr_lamgg7y42t1qzhm51o1_400.gif

    ResponderExcluir
  3. Feliz que voltou!

    Achei o poema tão profundo que não vou tecer comentários a respeito. Lindo :)

    ResponderExcluir
  4. Confesso que tenho um pouco de medo de poemas! existe uma linha tênue entre eles e o fake. Talvez precise me esforçar mais para conseguir ler com naturalidade, ainda mais por se tratar de um tema tão recorrente.
    Bjs..

    ResponderExcluir
  5. acho válido ter indicado o seu professor de cálculo mas sem foto dele fica difícil pro pessoal votar...
    hehehehehe
    beijos e obrigado pela participação

    ResponderExcluir
  6. a solidão urgente, que nos despedaça e nos envolve, o mal do século como bem escreveu Renato Russo é a solidão

    ResponderExcluir