11 maio 2010

Piru-rosa


Havia meses que o sapo não dava uma volta na floresta com os outros amiguinhos, aqueles que não eram encantados, não beijaram a princesa Sandy e não usavam calça jeans. Ele se dedicava inteiramente à sua nova princesa, Wanessa.

Wanessa impusera a condição de ele não encontrar mais nenhum deles. O bosque próximo ao poço estava terminantemente proibido. Mas não durou muito. Logo o sapo sentiu falta dos momentos de amizade e decidiu abrir mão do amor de Wanessa para poder continuar a desfrutar desses momentos.

O sapo estava de volta. Cada dia com uma calça diferente. Skinny, reta ou saruel. Os amigos receberam-no bem. Sandy tinha se reaproximado, as tabernas escusas ficavam só para o fim de semana, quando o reino não precisava de uma princesa.

Quando todos achavam que as coisas voltariam ao normal, que Sandy e o sapo teriam a chance de se conhecerem melhor do que se conheciam há 4 anos, boatos começaram a respeito de um possível envolvimento de Sandy com um príncipe da região.

O rapaz atendia pelo nome de Piru-rosa. Era doce, educado, olhos claros e cabelos aloirados e cacheados. Se passava tranquilamente por um anjo. Só seria descoberto pela bendita característica que lhe dava nome, afinal aquilo não se parecia com o sexo dos anjos. Sobre Piru-rosa não se sabia muita coisa.

Sandy começou a freqüentar os mesmos lugares que ele e por coincidência ele também era amigo de alguns animais da mesma floresta que Sandy era. Viviam trocando mensagens que os pombos levavam e traziam. Algumas mensagens eram bem irônicas e deixavam um ou outro sem palavras para a resposta. O pombo odiava esperar a criatividade chegar.

Ela estava disposta a investir. Ainda que ele parecesse muito infantil. Muito dócil. Principalmente se comparado aos camponeses que conhecia nas noites de sábado nas tabernas da corte. Piru-rosa também confessava para alguns animais interesse por Sandy.

Dentre os animais, o alce era o mais próximo dos dois. Ele sabia dos segredos de um e de outro. Sabia que não podia deixar Sandy se envolver com Piru-rosa. Não sem avisá-la do problema de mau-hálito que o rapaz tinha e que era de conhecimento de alguns animais da floresta.

Sandy se chocou quando soube. Aquilo não mudaria o carinho que sentia por Piru-rosa, nem a admiração que sentia pelos seus traços femininos. Mas impedia definitivamente que ela e Piru-rosa um dia unissem seus reinados.

4 comentários:

  1. Poxa mas é só escovar os dentes!
    Piru-rosa merece,tão bonzinho, coitado...

    ResponderExcluir
  2. "Cada dia com uma calça diferente. Skinny, reta ou saruel."
    O problema afinal, era o mau-hálito ou os traços femininos do piru rosa?

    ResponderExcluir
  3. hahahaha
    mas piru rosa deve ser bom de cama... sensível... quem sabe ele e Sandy não dão certo?

    ResponderExcluir
  4. saudades do meu inquilino18 de maio de 2010 00:04

    por favor, quem pode dar certo com um piru-rosa?
    oO

    ResponderExcluir